quarta-feira, 22 de outubro de 2014

As frases feitas mais ditas pelos militontos virtuais

Não contentes em garantir mais uma final entre PT e PSDB nas eleições presidenciais, simpatizantes de ambos os lados se sujeitam a um flamewar desnecessário, quando deveriam estar discutindo como o Brasil deve ser administrado nos próximos 4 anos. Abaixo segue a relação dos argumentos mais esdrúxulos que já encontrei por aí até o momento (e que teimam em se multiplicar às centenas, como uma praga):


Quem é rico/estudado vota em Aécio, quem é pobre/analfabeto vota em Dilma

Tenho amigos tão instruídos quanto eu (ou até mais!) que pretendem reeleger Dilma, assim como amigos tão ou menos escolados (mas não necessariamente ignorantes - que isso fique claro!) que desejam votar em Aécio. Proponho aos pseudoentendidos em política o desafio de explicar qualquer relação obrigatória (se houver!) entre grau de escolaridade e afinidade partidária.


É nós contra os outros! (rico x pobre / coxinha x empada / burguês x bolseiro família)

Eleição não é jogo de futebol, e sim um instrumento para escolher o responsável por cuidar do Brasil nos próximos 4 anos. Qualquer que seja o grande vencedor do pleito deste ano, tanto a esquerda quanto a direita sairão no lucro, enquanto os meros mortais continuarão tomando bem no centro (com o perdão da expressão).


Se Dilma ganhar vai acontecer isso, se Aécio ganhar vai acontecer aquilo

Quem ganha para fazer previsões é cartomante e empresa de pesquisa de mercado. Portanto, pare de encher o saco dos outros com ladainhas do tipo "Dilma vai transformar o Brasil em uma ditadura" ou "Aécio vai privatizar todas as estatais".


Na época de FHC isso, na época de Lula aquilo

Há muito tempo FHC deixou a vida pública (convenhamos: ele é melhor sociólogo que presidente) e Lula já avisou que não quer saber de 2018 (que dirá de 2022!). A quem insiste nas sessões de nostalgia no Facebook: diversos museus pelo Brasil têm vagas abertas para você.


O partido do meu candidato investiga / vai investigar casos de corrupção e punir os responsáveis

1) Partido não investiga porcaria nenhuma. Essa atribuição cabe ao Ministério Público e à Polícia Federal.
2) Como diz o ditado, "ladrão de tostão, ladrão de milhão". Não adianta comparar números de mensalão, trensalão, petrolão e não-sei-mais-o-quê-salão: a democracia não é uma gincana para decidir quem rouba menos.
3) A maioria absoluta dos envolvidos em tais episódios costuma seguir intocada pela lei ou, se presa, ganhar a liberdade em menos tempo que o previsto. Não ponha a culpa em Dilma ou Aécio: é a nossa legislação que precisa de reparos urgentes para punir efetivamente os corruptos, qualquer que seja a filiação partidária de cada um.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

[CINEMA] Lucy / O Doador de Memórias

LUCY (LUCY)

Dirigido por Luc Besson, Lucy vale o ingresso mais pela intensa atuação de Scarlett Johansson, que dá vida à personagem-título, e efeitos visuais do que pelo enredo, baseado no famoso mito do uso de 10% do cérebro, já devidamente refutado pela realidade (só para ilustrar: até quando dormimos o órgão permanece 100% ativo!). O filme narra as desventuras de Lucy, uma turista americana obrigada por um chefão do tráfico em Taiwan a transportar no abdômen uma droga sintética chamada CPH4. No cativeiro, um chute na barriga da futura heroína explode a bolsa, liberando uma enorme quantidade da substância, que confere à moça uma série de habilidades sobre-humanas, a começar pela telepatia. Após se livrar rapidamente dos captores, Lucy rapidamente contata o cientista Samuel Norman (Morgan Freeman) na esperança de que ele possa salvar sua vida.
Se você espera ver a protagonista usando os superpoderes a torto e a direito, como se nada no Universo fosse capaz de detê-la, melhor nem gastar míseros 5% da massa cinzenta para isso: o longa foca mais na ficção científica - com direito a uma baita discussão sobre espaço-tempo - que na ação. No máximo, contente-se com policiais desmaiados e mafiosos levitados apenas com a força do pensamento.

Nota: 7,5


O DOADOR DE MEMÓRIAS (THE GIVER)

À primeira vista, apenas mais um filme baseado em best-seller e protagonizado por um adolescente que resolve contestar um regime totalitário. Com base nessa premissa, a adaptação cinematográfica do romance de Lois Lowry não consegue fugir da comparação com títulos do naipe de Jogos Vorazes e Divergente, mas até que não soa tão adolescentoide demasiadamente juvenil quanto os congêneres. O Doador de Memórias se passa em um futuro distante no qual as pessoas, organizadas em comunidades, vivem sem qualquer lembrança do passado e com todas as emoções suprimidas, de forma que não corram o risco de passar novamente por todo tipo de sofrimento prévio (guerra, racismo, etc.). Um desses afortunados, Jonas (Brenton Thwaites), é proclamado Recebedor de Memórias, com a atribuição de armazenar todas as memórias, boas e ruins, anteriores ao surgimento de sua comunidade. Treinado por um antecessor, denominado Doador (Jeff Bridges), o rapaz percebe aos poucos que o mundo aparentemente perfeito esconde uma terrível distopia capitaneada pela Anciã-Chefe (Meryl Streep) e passa a questionar tudo o que vivenciou até então.
Embora não seja tão empolgante em termos de ação ou romance, o novo trabalho de Phillip Noyce ganha pontos na atuação dos intérpretes, nas cenas bem construídas e na abertura da discussão filosófica sobre o papel do Estado em uma sociedade, só que o diretor erra a mão quanto à superficialidade com que retrata o choque de visões de mundo. Em uma cena, por exemplo, a Anciã-Chefe se limita a afirmar que "se os humanos puderem escolher, farão as escolhas erradas". E a parte final se encarrega de abaixar a crista de quem esperava um desfecho à altura da trama em si. O filme não chega a ser ruim como um todo, porém o tema central - a intromissão do Estado na vida íntima dos cidadãos - merecia ser melhor abordado.

Nota: 7,0

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Pirotecnia: uma ducha de água fria na boa intenção

O Desafio do Balde de Gelo mal desaguou por estas bandas e já começou a descer pelo ralo da mediocridade. No exterior, a pessoa despeja sobre si um balde com água e gelo, faz doações para entidades ligadas ao tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), uma doença neurodegenerativa rara e letal, e desafia um amigo, que passa a brincadeira adiante. Aqui, o que vale é surfar nessa onda humanitária em troca de likes no Facebook e holofotes, como têm feito muitas celebridades - embora isso não seja exclusividade delas. Depositar uma quantia para apoiar a causa e postar o comprovante no Instagram ninguém quer...
Não é a primeira vez - e muito menos será a última - que pseudoengajados usam campanhas ou situações comoventes como um pretexto para atrair mais atenção a si mesmo do que à causa original (lembra-se daquela reação inteligente do lateral Daniel Alves ao racismo? Um zoológico teria sido insuficiente para abrigar tantos Homo sapiens doidos por 15 minutos de fama). Felizmente, nem todo mundo aceitou navegar no oceano da autopromoção. Que o digam o humorista Rafinha Bastos, que usou um balde vazio para criticar a falta d'água em São Paulo, e a apresentadora Xuxa, que não apenas pôs um ponto final em sua não participação na modinha, como também desafiou os colegas famosos a provar que realmente se preocupam com os portadores da ELA. Já disse Jesus Cristo certa vez: "Mas quando você der esmola, que a sua mão esquerda não saiba o que está fazendo a direita, de forma que você preste a sua ajuda em segredo. E seu Pai, que vê o que é feito em segredo, o recompensará" (Mateus, 6:3-4). Em outros termos: quem pretende ajudar o próximo que preste a bendita (e sempre bem-vinda) caridade em silêncio, e não em um festival idiota de pirotecnia que apenas se presta a agregar publicidade pessoal.

[CINEMA] Crítica: Os Mercenários 3

O terceiro filme da saga roteirizada por Sylvester Stallone se presta ao simples e puro entretenimento, repetindo a fórmula dos longas anteriores: tiros, explosões, pancadaria (desta vez, com a ilustre participação dos lutadores profissionais Victor Ortiz e Ronda Rousey) e, claro, uma rodada de cerveja após detonarem centenas de inimigos e implodir vizinhanças inteiras sem pedir licença a ninguém. Também não poderia faltar o clássico autodeboche, que aborda aspectos da vida profissional e até pessoal dos artistas, como pode ser visto na cena em que os fortões resgatam o sarcástico Doctor Death, que cumpria pena por sonegação fiscal - assim como seu intérprete, Wesley Snipes, na vida real.
Não espere uma história mirabolante e sem rodeios. Aliás, este nunca foi o forte da franquia Expandables. Mas, se você faz questão de ficar por dentro da nova aventura de Barney Ross e seus amigos, lá vai: desta vez, os Mercenários têm pela frente um perigoso traficante de armas, Conrad Stonebanks (Mel Gibson), ex-membro e co-fundador do grupo. O vilão dá as caras em uma operação de rotina e põe os ex-companheiros para correr com seu poder de fogo superior, com direito a uma maldadezinha básica - ferir gravemente um deles - antes de fugir. Deduzindo que os veteranos não mais podem dar conta do recado (uma curiosa referência ao fato de Stallone, Schwarzenegger, Ludgren, Gibson e companhia já terem passado da hora de se aposentar) e sentindo-se culpado pela atual situação, Barney dispensa o grupo sem muito peso na consciência e corre atrás de sangue novo, convocando quatro novos integrantes - Smilee (Kellan Lutz), um ex-fuzileiro que ganha a vida em lutas clandestinas, Luna (Ronda Rousey), uma hostess dura na queda, Thorn (Glen Powell), um veterano especialista em ataques cibernéticos, e Mars (Victor Ortiz), um atirador da pesada. Posteriormente, a equipe ganha mais um novato, o tagarela Galgo (Antonio Banderas), que havia sido dispensado em um recrutamento anterior.
No âmbito geral, ninguém sai perdendo com essa salada mista da old school com a nova geração. Os atores principais revivem a época áurea do cinema de ação dos anos 80 e 90 (embora os tiroteios sejam um pouco mais tímidos em comparação aos outros dois filmes da série), enquanto o público tem mais uma oportunidade de vê-los reunidos em um mesmo filme. Se você simplesmente gosta de ver os bandidos caindo com uma bala enfiada na testa e não faz a menor questão de manter o cérebro ligado para entender a história, Os Mercenários 3 não vai te decepcionar.

Nota final: 7,5

terça-feira, 15 de julho de 2014

Copa-2014: Tetracampeonato, uma vitória do planejamento alemão


Assim como o Brasil e a Itália, a Alemanha teve de esperar 24 anos para chegar ao tetracampeonato mundial, com a diferença de que não precisou chegar aos pênaltis. Méritos de Göetze, que substituiu o veterano Klose ao final do tempo regulamentar e marcaria o único gol da partida (e do título) na segunda metade da prorrogação. Os germânicos não apenas jogaram uma ducha de água fria na alegria da Argentina pela terceira vez em Copas, como também se tornaram a primeira seleção estrangeira a conquistar um Mundial nas Américas - um feito até então inédito na história da competição.
Engana-se, porém, quem pensa que a campanha vitoriosa dos alemães teve início na estreia contra Portugal, em Salvador. Até 2000, eles não costumavam levar o futebol tão a sério. Quando foram despachados da Eurocopa ainda na fase de grupos, finalmente tomaram vergonha na cara e decidiram reformular completamente o esporte. O resultado de tanto esforço se traduz hoje em estádios lotados e uma rigorosa legislação que, entre outras coisas, obriga os clubes das principais divisões do país a investir nas categorias de base, pagar em dia os salários dos atletas e limitar os mandatos de seus respectivos dirigentes. Essas profundas mudanças não demorariam a refletir na seleção principal, que chegou ao terceiro lugar em duas Copas consecutivas (uma delas, inclusive, em casa) e ao vice-campeonato europeu em 2008. Ainda faltava um Mundial para coroar de vez a bem sucedida trajetória germânica - e ele merecidamente chegou às mãos do atual elenco, magistralmente comandado por Joachim Löw. Para a Mannschaft, entretanto, não bastava analisar os esquemas táticos das seleções adversárias para surpreendê-las em campo. Fora das quatro linhas, o time adotou a estratégia de interagir com os anfitriões, substituindo a própria fama de sisudos pela simpatia e humildade com que correspondiam às calorosas recepções dos admiradores.
Pronto, o caminho para a taça estava quase traçado. Mas os alemães tinham de percorrê-lo, claro. E o fizeram com muita classe e sangue frio, apesar de oscilações na fase de grupos. O planejamento a longo prazo, a disciplina tática e o talento dos jogadores contaram muitos pontos a favor do êxito da Alemanha na Copa das Copas. A nós, brasileiros, resta aproveitar as lições de modernidade e humildade para reconhecer que estamos muito atrasados tecnicamente e que há muito tempo o futebol de qualidade reside no outro lado do Atlântico - enquanto isso, Müller e companhia já começam a esquentar as baterias para seu próximo desafio, a Eurocopa de 2016, na França.

domingo, 13 de julho de 2014

Copa-2014: Por que assistir à final Alemanha x Argentina

Tudo bem, esta não é a final que nós, brasileiros, esperávamos para a Copa das Copas. Mas a disputa da taça entre alemães e argentinos pode amenizar o 4º lugar conquistado pela Seleção de forma pífia, por culpa menos dos atletas que do atual treinador e da CBF. Se não fez bonito dentro das quatro linhas, o Brasil deve se orgulhar do golaço de placar que marcou ao receber muito bem os estrangeiros, cuja maioria passou a ter uma nova (e mais positiva) imagem do país, apesar dos problemas que nos afligem todos os dias.
Voltando ao Mundial de 2014, convoco todos os fãs de futebol  - só por educação, o convite se estenderá aos modinhas, :D - a acompanhar a finalíssima logo mais, às 16:00, com direito a show de Carlinhos Brown, Ivete e Shakira, qualquer que seja a seleção a erguer o caneco no Maracanã. Abaixo seguem algumas curiosidades para agitar o confronto derradeiro antes mesmo de a Brazuca começar a rolar no gramado do estádio carioca.

- Se vencer, a Alemanha se tornará a terceira seleção a conquistar o tetracampeonato 24 anos depois do terceiro título. Os demais felizardos foram Brasil (1970 - 1994) e Itália (1982 - 2006).
- Alemanha e Argentina se enfrentaram em duas finais consecutivas, as de 1986 e 1990. Os hermanos levaram a melhor na primeira, mas os germânicos sorriram por último na segunda. O Maracanã é o palco ideal para o "desempate" na terceira final entre as duas seleções em Copas.
- Nas duas últimas Copas (2006 e 2010), os argentinos foram despachados pelos mesmos adversários, os alemães, e na mesma fase (quartas de final). Alguém duvida que os nossos vizinhos querem descontar as reveses anteriores?
- Há 24 anos, a Argentina sequer chegava às semifinais de uma Copa - que dirá a uma final! Uma oportunidade de ouro para Messi, Agüero e companhia.
- Em 1990, a ainda dividida Alemanha conquistaria seu terceiro (e último) título pela porção ocidental. Esta pode ser a primeira Copa vencida pelos alemães como um país unificado.
- Os argentinos podem ainda contar com uma "sina" em torno do Brasil: desde 1986, nenhum time que nos eliminou de um Mundial venceu o torneio em questão. Por outro lado, a Albiceleste tentará novamente superar a "maldição de Tilcara", que a atormenta há 28 anos.
- O atual elenco germânico chegou à final graças ao trabalho coletivo, apesar de algumas quedas de produção na fase de grupos. Por sua vez, a Argentina deve sua caminhada até as semifinais aos lampejos de Messi. Somente a partir de então Sabella resolveu apostar no conjunto, adotando um estilo mais compacto que, embora ainda dependente do camisa 10 do Barcelona, levaria ao triunfo hermano sobre a Holanda nas penalidades. Portanto, não espere uma vitória elástica para qualquer dos lados.

sábado, 12 de julho de 2014

Copa-2014: A última pá de cal na Seleção

Se a Alemanha já havia matado o sonho do nosso hexacampeonato mundial em Belo Horizonte na última terça, os holandeses apenas tiveram de empurrar o caixão canarinho hoje à tarde, no Mané Garrincha. Felipão chegou a cumprir a promessa de alterar o esquema tático, mas não tinha tempo hábil para treinar a nova formação e mais uma vez confiou na sorte. O treinador pagou caro: nos 18 minutos iniciais, a Laranja Mecânica havia aplicado 2 x 0 com Robin Van Persie e Blind, ambos em lances irregulares - um pênalti e um cruzamento após um impedimento, nesta ordem - assinalados pelo inseguro árbitro. No segundo tempo, os europeus nem precisaram se esforçar muito para administrar a vantagem pois o time brasileiro, com ou sem as trapalhadas do juiz, continuava apático mesmo com as entradas de Fernandinho, Hernanes e Hulk. Já assegurada, a vitória orange se confirmaria de vez nos acréscimos, quando Wijnaldum marcou o terceiro e último tento da partida, encerrando definitivamente a melancólica campanha da Seleção neste Mundial.
Mal administrado pela CBF, o esquadrão canarinho repetiu este ano o mesmo script das duas últimas Copas. Largou bem na corrida pelo título e obteve êxito contra adversários com pouca ou nenhuma tradição no futebol mundial, porém tombou diante de seleções tradicionais como França (2006), Holanda (2010) e recentemente Alemanha (2014), além da própria Laranja. Enquanto os simpáticos oranges (refiro-me aos atletas, não ao marrento porém competente treinador Louis Van Gaal) se despedem do Brasil com as merecidas medalhas de bronze no peito, a Seleção sai de Brasília debaixo de muitas vaias e, até a próxima semana, apanhará um bocado da imprensa esportiva, que discutirá quem segue no elenco atual e quem vai aposentar a amarelinha.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Copa-2014: fim de jogo, mas a vida segue

Parafraseando um velho ditado, não adianta chorar o jogo derramado. Sem planejamento e com muito oba-oba por parte de dirigentes e comissão técnica, o Brasil terá de esperar mais quatro anos para brigar pelo hexacampeonato de seleções. Era apenas uma questão de tempo que a tão sonhada conquista mais uma vez escapasse da nossa vista, porém nem o mais pessimista dos torcedores verde-amarelos previu que o time de Felipão fosse despachado da corrida pelo título de 2014 de maneira tão humilhante e, ainda por cima, no próprio quintal.
Muitos gols alemães no Mineirão, lágrimas, piadas virtuais e até quebradeira depois, agora é o momento de seguir em frente. Como já ocorreu anteriormente, ninguém vai passar mal ou morrer só porque a Seleção foi eliminada de mais uma Copa. Tampouco melhoraríamos de vida se o atual elenco levantasse a taça no Maracanã. Não pretendo ficar esmiuçando as razões do novo fracasso (os blogs e a imprensa esportiva em geral - com direito à tradicional caça aos culpados - já fizeram isso por mim), mas convenhamos que o Brasil já passou da hora de profissionalizar de vez o futebol. Enquanto uma verdadeira revolução não entra em campo para ditar a nova maneira de enxergar, pensar e administrar a nossa maior paixão nacional, voltamos a nos deparar com jogos de baixíssimo nível técnico, estádios cada vez mais vazios e cartolas que, com o providencial monopólio da Globo sobre as transmissões das partidas, tomam conta do esporte bretão como um negócio particular (e infelizmente isso não deixa de fazer sentido do ponto de vista prático).
Ainda nos resta mais um pouco de dignidade no próximo sábado, em Brasília, onde disputaremos o terceiro lugar da competição com o perdedor de Holanda x Argentina e resgataremos pelo menos uma parte da honra que se perdeu naquele vexame diante da esmagadora máquina germânica em Belo Horizonte. Seja qual for o resultado, o futebol brasileiro ainda pode ser salvo dos interesses mesquinhos e o sonho do hexacampeonato continua mais vivo do que nunca, na mente dos atletas e da torcida tupiniquins.

sábado, 5 de julho de 2014

Copa-2014: Argentina e Holanda na outra semifinal

ARGENTINA 1 x 0 BÉLGICA
Os argentinos não chegaram a brilhar no Mané Garrincha, mas jogaram o suficiente para derrotar a Bélgica com um único gol, marcado por Higuaín ainda na etapa inicial. Ainda regular, a seleção hermana soube tirar proveito dos passes errados e da marcação frouxa dos Diabos Vermelhos, que encerram uma campanha baseada mais na burocracia do que na badalação vista nas Eliminatórias europeias.
Classificada às semifinais depois de 24 anos, a Argentina protagonizará um jogão daqueles com a Holanda na próxima quarta, às 17:00, na Arena Corinthians. Mas talvez não conte com Di María, que sofreu uma lesão no primeiro tempo e pode ficar de fora do Mundial.


HOLANDA 0 x 0 COSTA RICA (4 x 3 NOS PÊNALTIS)
Salvador se despede da Copa em grande estilo. As redes não chegaram ser balançadas nos 90 minutos regulamentares ou nos 30 da prorrogação, mas sobrou muita emoção no embate entre a talentosa Holanda e a surpreendente Costa Rica, que já havia feito histórico chegando às quartas deste Mundial. Um 0 x 0 que valeu a atenção do público desde o primeiro até o último minuto de partida. Enquanto tinha dificuldades para chegar à área orange, os Ticos se garantiram na defesa, contendo a euforia de atacantes rivais como o improdutivo Van Persie. Por sua vez, a Laranja Mecânica atacava muito mais e, em algumas ocasiões, quase abriu o placar, sendo barrada pela ótima atuação do goleiro costarriquenho Navas.
Sem gols até na prorrogação, chegava a hora de decidir a última vaga das semifinais nos pênaltis. O técnico da Holanda, Van Gaal, surpreendeu com o arqueiro Tim Krull no lugar de Cilessen especialmente para o referido momento. E a mudança decidiu a sorte a favor dos europeus: Krull defendeu duas cobranças da Costa Rica, levando sua equipe ao confronto com os argentinos em uma das semifinais do torneio. Eliminados após uma luta incessante com os holandeses, os centro-americanos podem se orgulhar de ter conseguido ao menos um lugar no rol de seleções que deixaram sua marca na história dos Mundiais.

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Copa-2014: o Brasil tira a Colômbia para dançar

Com todo o respeito aos cafeteros e sua ótima campanha nesta Mundial, mas eles literalmente dançaram no Castelão. A Seleção gingou muito melhor durante a maior parte do jogo, contragolpeando em velocidade, marcando firme a saída de bola colombiana e anulando o principal jogador do time adversário e (por enquanto) artilheiro da Copa, James Rodríguez. Desta vez, Felipão inovou ao finalmente escalar Maicon e Paulinho no lugar de Daniel Alves e Luiz Gustavo, que cumpria suspensão. A mudança deu mais do que certo: a intermediária estava bem fechada e a equipe poderia atacar do jeito que sabe (e gosta).
O triunfo brasileiro começou a ser construído ainda aos 7 minutos do primeiro tempo, quando Thiago Silva recebeu a bola desviada por David Luiz após uma cobrança de escanteio, empurrando-a para a rede de Ospina. Pressionada pela vibração tupiniquim, a Colômbia teve de se abrir para contra-atacar, mas esbarrava nas muralhas da nossa defesa. Vigiado de perto por Fernandinho e Paulinho, James Rodríguez não teve muito o que produzir. Nem parecia aquele jovem de 22 anos que magistralmente ajudou sua equipe a superar a ausência de Falcão García.
Na etapa complementar, o bom futebol apresentado pelo Brasil foi substituído pela tensão. Aos 17 minutos, Thiago Silva cometeria um esbarrão desnecessário em Ospina e levaria um amarelo, que o tira do confronto com a Alemanha. Mas seu parceiro David Luiz não demorou a salvar de vez a pátria ao anotar 2 x 0 para a Seleção com uma belíssima cobrança de falta. Desesperados e encurralados, os colombianos partiram para o tudo ou nada. Até se empolgaram com um pênalti convertido com sucesso por James Rodríguez aos 35, mas não puderam evitar a desclassificação. E ainda contaram com a sorte de não sofrer uma derrota ainda mais traumática, pois os comandados de Felipão não aproveitavam direito as brechas na defesa adversária.
Fim de papo: os colombianos se despedem da Copa de cabeça erguida, pela melhor campanha de sua história nas edições do torneio, enquanto o nosso esquadrão se recolhe até terça, quando pegará uma pedreira ainda maior: a instável porém formidável máquina germânica de Müller, Ozil, Klose e companhia (i)limitada.


AMANHÃ TEM MAIS COPA!
Nem pense em assistir a outra coisa na sua TV. Amanhã, a bola continuará rolando nas partidas a seguir:

Argentina x Bélgica - 13:00 - Brasília
Holanda x Costa Rica - 17:00 - Salvador

Copa-2014: Au Revoir, Bleus!

ALEMANHA 1 x 0 FRANÇA
Agora há pouco, no Maracanã, a eficiência alemã levou a melhor. O time de Joachim Löw saiu na frente, com o zagueiro Hummels, logo aos 13 minutos da etapa inicial e esbanjou muita organização para manter a vantagem até o fim da partida. Por diversas vezes a Mannschaft esteve próxima de esticar o placar, mas os franceses não se davam por vencidos e chegaram a atacar mais do que os vizinhos. Para tranquilidade dos germânicos, Hummels e Neuer seguraram direitinho a onda dos Bleus no setor defensivo.
Fim de papo: a França, nossa grande carrasca em Mundiais (1986 e 2006), provou do próprio veneno e retornará à Europa mais cedo que o planejado. Enquanto isso, os alemães podem tirar um bom descanso e aguardar o vencedor da batalha entre brasileiros e colombianos, daqui a pouco, no Castelão.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Copa-2014: Quem deve passar das quartas


FRANÇA x ALEMANHA
Perfil da França: os Bleus suaram a camisa para superar a Nigéria nas oitavas. Ganham pontos pelo bom trabalho coletivo e paciência, mas ficam devendo na defesa e no meio de campo, que tem dificuldades de suprir o atacante Benzema.
Perfil da Alemanha: a muito custo, a máquina germânica conseguiu despachar a raçuda Argélia somente na prorrogação. Apesar de poderoso e mais experiente em relação ao plantel que disputou a Copa de 2010, o time tem sido prejudicado pela instabilidade, uma vez que o técnico insiste em escalar jogadores fora da posição ideal.
Quem deve avançar: um jogo duríssimo, sem dúvida, onde tudo pode acontecer. Mas eu colocaria as fichas no time francês, que pode nadar tranquilamente em meio às brechas do setor defensivo alemão e alcançar uma vitória por 2 x 1.


BRASIL x COLÔMBIA
Perfil do Brasil: contra o Chile, o time de Felipão outra vez deixou a desejar em campo. Embora tenha começado melhor a partida, permitiu que a La Roja dominasse geral a partir do segundo tempo regulamentar e por muito pouco não foi despachado pelo rival. Teve de vencer nos pênaltis (méritos a Júlio César, que pagou a dívida de 2010) para chegar às quartas com mais da metade do time sob forte abalo psicólogo. O treinador precisa fazer um milagre para pôr os nervos de todo mundo no devido lugar porque a Colômbia vem aí na sexta (04/07).
Perfil da Colômbia: os sensacionais cafeteros deram mais um show de futebol nas oitavas, pondo o Uruguai na dança. O time joga aberto, marca bem e conta com o vigor físico dos atletas, mas perde pontos na defesa.
Quem deve avançar: não consigo enxergar um favorito no momento. O Brasil tem mais qualidade individual, enquanto a Colômbia aposta no coletivo. Qualquer que seja o vencedor (claro que torcerei para a Seleção, mas não sou abestalhado ufanista a ponto de ignorar a competência da equipe adversária), o placar deverá ser bem apertado - 1 x 0, 2 x 1 ou 3 x 2.


ARGENTINA x BÉLGICA
Perfil da Argentina: os hermanos continuam apáticos na Copa. Escaparam da decisão por pênaltis no final do segundo tempo da prorrogação. Se o meio de campo não rende tão bem sob pressão adversária, a defesa dispensa maiores comentários negativos.
Perfil da Bélgica: muito contestados por não repetir no Brasil a badalação com que disputou as Eliminatórias europeias, os Diabos Vermelhos contaram com a paciência para lograr êxito em todas as partidas jogadas até agora. Ainda assim, a equipe é (ou ao menos parece) taticamente mais bem organizada que a Argentina.  
Quem deve avançar: os argentinos não são de entregar os pontos tão facilmente, mas dificilmente superariam a Bélgica, que pode vencer a partida por 2 ou mais gols de diferenças se souber explorar as brechas do tão criticado setor defensivo albiceleste.


HOLANDA x COSTA RICA
Perfil da Holanda: a Laranja Mecânica quase virou suco nas mãos do México em Fortaleza, porém o talento e o preparo físico dos atletas, aliados à equivocada retranca do time latino, fizeram a diferença a favor dos oranges. Embora continue vulnerável nas laterais, o novo Carrossel costuma abusar da tranquilidade e do conjunto para buscar a vantagem no placar.
Perfil da Costa Rica: o time sensação da Copa merecidamente continuou fazendo história nesta Copa, ao se classificar para as quartas de final pela primeira vez. A vibração e a disposição tática contam pontos favoráveis aos costarriquenhos, que prometem um duelo bastante equilibrado com a Holanda.
Quem deve avançar: em que pese a empolgação da Costa Rica, acho mais provável que a Holanda passe para as semifinais, nem que leve um baita sufoco do rival centro-americano.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Copa-2014: oitavas encerradas a fórceps

ARGENTINA 0 x 0 SUÍÇA (1 x 0 NA PRORROGAÇÃO)
Se os torcedores argentinos tinham alguma esperança de que sua seleção finalmente engataria de vez na Copa, os jogadores trataram de jogar mais um balde de água fria no bom futebol em São Paulo. A equipe comandada por Sabella continuou o mesmo arremedo burocrático de sempre, e nem Messi serviu para animar o plantel. Os suíços, dotados de muita disposição tática,  pressionaram os albicelestes o tempo todo e estiveram muito perto de abrir o placar em três ocasiões.
Infelizmente, porém, a modalidade não costuma premir o esforço. No finalzinho da prorrogação, a Argentina novamente foi salva por um lampejo individual de Messi, que deu o passe para Di María anotar o único gol da partida (e da classificação para as quartas). Por muito pouco a Suíça não empatou o duelo logo depois, quando a bola cabeceada por Dzemaili bateu na trave e no jogador antes de morrer na linha de fundo. O time do país dos relógios saiu da Arena Corinthians completamente injustiçada. No próximo sábado, às 13:00, em Brasília, os hermanos encaram a Bélgica, que despachou os EUA também na prorrogação.


BÉLGICA 0 x 0 EUA (2 x 1 NA PRORROGAÇÃO)
Desta vez não houve goleada na Arena Fonte Nova, em Salvador. As seleções da Bélgica e dos Estados Unidos iniciaram a partida sem muito brilho, aparentemente mais preocupadas em analisar o jogo uma da outra. A apatia seria quebrada aos 16 minutos da etapa inicial, após um engraçadinho invadir o campo e, sem ser incomodado por qualquer steward (segurança particular) ou PM ali perto por alguns segundos, correu de um lado para outro atrás do seu momento de glória. Nesse momento, as duas equipes despertavam e começariam a protagonizar um verdadeiro duelo de muralhas, até para compensar suas respectivas más finalizações. No segundo tempo, os Diabos Vermelhos jogaram um pouco melhor, ameaçando várias vezes a meta americana, mas Tim Howard não estava a fim de entregar os pontos e brilhantemente frustou as investidas belgas até o último dos 90 minutos regulamentares.
A emoção ditaria o ritmo de vez na prorrogação. Lukaku, que não vinha atuando bem desde o início da Copa, entrou em cena para mudar o rumo da história: conferiu um passe para o primeiro gol da Bélgica, anotado por De Bruyne aos dois minutos do primeiro tempo, e aumentaria ele próprio a vantagem no placar, no último minuto. No início do tempo seguinte, os EUA não perderam tempo, descontaram com um belo gol de Green e ainda tentaram forçar a decisão da vaga nos pênaltis, mas já era tarde. Os comandados de Marc Wilmots enfrentarão a insossa Argentina às 13:00 de sábado, no Mané Garrincha, enquanto aos ianques resta deixar o estádio baiano - e o Mundial mais cedo - de cabeça erguida, em virtude do bom trabalho (apesar de algumas falhas da defesa em momentos decisivos e de jogadas mal finalizadas no ataque) que desempenharam na competição.


CURIOSIDADE DO DIA
A Copa de 2014 é a primeira da história em que todas as seleções classificadas em 1º lugar na fase de grupos avançam às quartas em uma mesma edição e também acaba de registrar cinco prorrogações ocorridas nas oitavas de final - o maior número desde o Mundial de 1986, quando essa etapa do mata-mata foi criada.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Copa-2014: França e Alemanha garantidas nas quartas, aos trancos e barrancos

FRANÇA 2 x 0 NIGÉRIA
Apesar de contar com mais recursos técnicos e maior habilidade em lances individuais, a seleção francesa não teve vida fácil diante da pegada nigeriana em Brasília. O primeiro tempo foi marcado por muita disputa de bola e poucas conclusões de qualidade. Vale a pena destacar a atuação do sempre atento goleiro Enyeama, muito à vontade para impedir os gols de Benzema e companhia. A partir da etapa complementar, porém, a história mudou de figura. Aos 19 minutos, Pogba não desperdiçou a chance após uma falha do arqueiro adversário e abriu o placar para os Bleus. A resistência da Nigéria seria implodida de vez aos 47, com Yobo empurrando a redonda para dentro da própria rede. Assustada e paciente, a França foi superior e esperará sua próxima adversária, Alemanha ou Argélia.


ALEMANHA 0 x 0 ARGÉLIA (2 x 1 NA PRORROGAÇÃO)
A Alemanha prometia um show de eficiência no Beira-Rio. A Argélia, que não a reencontrava desde 1982, teria uma boa oportunidade de se vingar do fatídico Jogo da Vergonha protagonizado pela seleção europeia no Mundial daquele ano (cabe ainda uma curiosidade: os africanos iniciaram sua primeira participação em Copas exatamente com uma vitória sobre a então Alemanha Ocidental). Para o bem do futebol, nenhuma das equipes fez gols no tempo regulamentar. Méritos de M'Bolhi, goleiro do time africano, que protegeu muito bem sua meta das investidas germânicas, enquanto seus companheiros atacavam com muito mais vontade que os adversários.
Somente na prorrogação a máquina alemã engrenaria de vez, embora não tivesse lutado menos que o rival. Com um gol de Schürrle (2 minutos do 1º tempo) e outro de Özil (15 minutos do 2º tempo), o time comandado por Joachim Löw venceu o duelo a muito custo e passará um bom tempo recobrando o fôlego para a próxima batalha, contra a França. Os argelinos, que descontaram com Djabou logo após o segundo tento germânico, podem sentar e chorar à vontade... de orgulho! Orgulho pela primeira (e emocionante) classificação às oitavas de final de uma Copa e pela forma honrosa com que travaram a luta contra uma seleção tradicional até o último minuto de jogo.

domingo, 29 de junho de 2014

Copa-2014: Virote laranja e avanço da zebra

HOLANDA 2 x 1 MÉXICO
A Laranja Mecânica quase virou suco no Castelão. Debaixo de muito sol, o México abusou da sua compactação para dominar a partida durante o 1º tempo e chegou a sair na frente logo aos 3 minutos da etapa complementar, com Giovanni dos Santos, mas retraiu seus atletas com o claro objetivo de tentar aumentar a vantagem no placar à base de contragolpes rápidos. Uma estratégia que se mostraria fatalmente equivocada aos 43 minutos, quando Sneijder aproveitou uma sobra de bola após cobrança de escanteio e mandou a Brazuca da entrada da área diretamente para a rede adversária. Aos 46, Robben sofreu um suposto pênalti cometido por Rafa Márquez e Huntelaar convertia o lance com sucesso. O placar final, 2 x 1,  classificou a seleção holandesa às quartas e, de praxe, eliminou a El Tri do Mundial. Curiosamente, o time latino não passou das oitavas de uma Copa pela sexta vez consecutiva.




COSTA RICA 1 x 1 GRÉCIA (5 x 3 nos pênaltis)
Como eu previa, a Costa Rica despachou os gregos em Recife, porém o triunfo só viria na disputa de penalidades. Após um primeiro tempo morno, sem muitas emoções, o time sensação da Copa inaugurou o placar aos 7 minutos da etapa seguinte, com um chute rasteiro de Bryan Ruiz que pareceu ter hipnotizado a defesa adversária. Coitado do goleiro Karnezis, que só se deu conta do lance quando a bola já estava mais do que dentro de sua rede. Os helênicos foram obrigados a abandonar o estilo defensivo e partiram para o tudo ou nada. O esforço dos europeus, talvez auxiliado pela expulsão do costarriquenho Duarte, seria recompensado nos acréscimos, com Samaras deixando tudo igual.
Mesmo em desvantagem numérica, os Ticos contaram com o imenso apoio da torcida brasileira na Arena Pernambuco para resistir à ofensiva da Grécia na meia hora de prorrogação, forçando a decisão da vaga nos pênaltis. No final das contas, a Costa Rica levou a melhor, convertendo com sucesso todas as cobranças e agraciada com uma bela defesa do chute de Gekas pelo goleiro Navas, avança às quartas pela primeira vez em sua história de participações em Mundiais e enfrentará a não menos persistente Holanda em Salvador.

sábado, 28 de junho de 2014

Copa-2014: Uruguai é o próximo a dançar

Bem que o Uruguai tentou compensar na valentia a ausência de Suárez, expulso da competição por grave indisciplina, mas seu futebol enfraquecido não resistiu ao banho tático da sensacional Colômbia, que reafirmou no Maracanã a ótima campanha que tem realizado até agora: quatro jogos, quatro vitórias, 11 gols feitos e apenas 2 sofridos. O maestro do show cafetero no gramado, James Rodríguez, anotou os dois gols (um deles de placa, aos 27 do primeiro tempo) do triunfo sobre os chuarras, assegurando o avanço de sua equipe às quartas de final de uma Copa pela primeira vez e, de quebra, impedindo o reencontro entre a Celeste Olímpica e o Brasil no estádio carioca 64 anos depois do fatídico Maracanazo. Por falar no elenco comandado por Oscar Tabárez, Forlán e seus companheiros não conseguiram estragar a festa colombiana, mesmo apelando para ombradas de provocação nos rivais e reclamação no ouvido do árbitro. O fantasma de Ghiggia havia sido finalmente extirpado das terras brasileiras.
Enquanto a Celeste arruma as malas e vai fazer companhia a Surárez em Montevidéu, os cafeteros se preparam para um inédito confronto com o Brasil em Copas do Mundo. Prometem infernizar o time de Felipão com a ótima marcação e o vigor físico dos atletas, mas seu estilo de jogo aberto costuma expor brechas no sistema defensivo - um prato cheio para os nossos laterais apoiarem as investidas de Neymar e Hulk.

Copa-2104: Passagem sofrida às quartas

A Seleção deve ter confiado mais na emoção que na técnica para continuar trilhando o caminho do hexa. Só isso explica porque brasileiros e chilenos tiveram de decidir a sorte nos pênaltis. O time de Felipão até começou melhor a partida, com um gol de David Luiz aos 18 minutos. Só que o rival sul-americano não se intimidou com a pressão tupiniquim e empatou aos 31 com Alexis Sánchez, que aproveitou uma bobeira de Hulk e conduziu a bola até a área para chutar bem colocado.
No segundo tempo, o Chile passou a jogar melhor e dominou completamente a partida. Apático, o Brasil dependia muito de Júlio César, Thiago Silva e David Luiz para não levar uma virada no placar. E ainda havia o calor para comprometer o rendimento de ambas as equipes. Noventa minutos de tempo regulamentar, meia hora de prorrogação e um empate em 1 x 1 depois, o vencedor seria conhecido na cobrança das penalidades. Nessa hora, a estrela de Júlio César brilhou mais do que tudo em campo. Considerado um dos responsáveis pela queda da Seleção em 2010, o goleiro praticamente jogou as últimas pás de terra sobre o episódio e assegurou o nosso avanço às quartas de final.
Embora tenha levado a melhor no confronto, o selecionado brasileiro precisou de muita sorte para não dizer adeus ao sonho do hexacampeonato mundial. Marcação lenta da saída de bola adversária, brechas nas laterais e falta de conexão entre o meio de campo e o ataque: estas falhas quase puseram tudo a perder novamente e Felipão terá quase uma semana para corrigi-las, pois o próximo round está agendado para a sexta-feira (04/07), contra Colômbia ou Uruguai, que jogam daqui a pouco, no Maracanã.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Copa-2014: Palpites das oitavas

Finalmente a Brazuca ganhou hoje um descanso mais que merecido, após correr pelos gramados por 15 dias seguidos, entrando nas redes 136 vezes. Enquanto a bola se sossega em um canto (e ela que aproveite bem o descanso, porque o trabalho recomeça amanhã!), tento prever quais das 16 seleções que continuam na briga pela taça mais cobiçada do futebol mundial avançarão para as quartas de final.


BRASIL x CHILE
Perfil do Brasil: contestada no início, a Seleção cumpriu bem sua obrigação de passar da primeira fase. É a mais forte das equipes sul-americanas ainda vivas no Mundial - possui mais talento individual, contando com jogadores habilidosos que podem fazer a diferença em um lance individual, e ainda por cima joga em casa. Para animar ainda mais a torcida, Fernandinho deve ocupar a vaga de Paulinho no time titular.
Perfil do Chile: freguês dos brasileiros em ocasiões anteriores nos Mundiais, o time comandado por Jorge Sampaoli promete escrever um final diferente para o jogo de amanhã, no Mineirão. A disposição tática conta pontos favoráveis à La Roja, mas a baixa estatura média de seus atletas deve comprometer sua defesa contra jogadas aéreas, um recurso do qual Felipão deverá abusar à vontade.
Quem deve avançar: Brasil. 
Placar provável: 2 x 1, 2 x 0 ou 3 x 1.


COLÔMBIA x URUGUAI
Perfil da Colômbia: chegou à Copa já temendo uma eventual desclassificação precoce devido à ausência de Falcão García no elenco. Mas o técnico José Pekerman soube lidar com a grande revés e pôs as outras equipes do Grupo C para dançar - 3 x 0 na Grécia, 2 x 1 na Costa do Marfim e 4 x 1 no Japão (imagine se o grande ídolo supracitado tivesse vindo ao Brasil). O talento de jogadores como James Rodríguez, a velocidade nos contragolpes e a forma física prometem trazer a vantagem do jogo para o lado dos cafeteros.
Perfil do Uruguai: surpreendida pela Costa Rica na estreia do Grupo D, a Celeste Olímpica não se abateu e conseguiu sobreviver à "chave da morte" despachando duas outras campeãs mundiais, Inglaterra e Itália. Mas nem tudo foi motivo de comemoração - Suárez, flagrado pelas câmeras mordendo o ombro do zagueiro italiano Chiellini, foi exemplarmente banido da Copa e os charruas terão de suar mais sangue do que o normal, apostando na defesa sólida e na experiência do envelhecido elenco que conquistou o 4º lugar no último Mundial (2010) e se sagrou atual campeão sul-americano (2011).
Quem deve avançar: Colômbia.
Placar provável: 2 x 1 ou 3 x 2.


FRANÇA x NIGÉRIA
Perfil da França: iniciou a Copa de forma arrasadora, goleando Honduras (3 x 0) e Suíça (5 x 2), mas relaxou contra o Equador e não passou de um 0 x 0. Ainda assim, merece respeito pelo futebol que tem apresentado até agora. Se individualmente não empolgam tanto quanto a geração campeão do mundo em 1998, os Bleus de hoje ganham pontos no jogo coletivo devido à forte marcação e aos rápidos contra-ataques. A batalha contra a Nigéria deve ser bem truncada, uma vez que parte do time francês é composta por atletas de origem africana.
Perfil da Nigéria: os atuais campeões africanos chegaram às oitavas no susto, com apenas 4 pontos na fase de grupos e devendo sua permanência no Mundial aos bósnios, que derrotaram o Irã. A seleção africana tende mais à defesa que ao ataque e promete usar sua força física à vontade para tentar deter Benzema e companhia.
Quem deve avançar: França.
Placar provável: 1 x 0 ou 1 x 1 (classificação nos pênaltis).


ALEMANHA x ARGÉLIA
Perfil da Alemanha: o esquadrão germânico nunca esteve tão bem servido de craques - Müller, Lahm, Götze, Özil, Schweinsteiger, Khedira, Neuer e Podolski, entre outros. Até o artilheiro Klose, que vem sendo preservado no banco, pode entrar em cena e decidir a partida a favor da equipe comandada por Joachim Löw. Porém, o maior desafio da Alemanha é acertar de vez sua equipe, que quase se complicou com Gana e se contentou com um 1 x 0 sobre os EUA após atropelar Portugal na fase de grupos.
Perfil da Argélia: a primeira chegada dos argelinos às oitavas de um Mundial não foi exatamente uma surpresa. Na fase de grupos, perderam para a Bélgica (2 x 1) a muito custo, passaram pela Coreia do Sul sem muita dificuldade (4 x 2) e empataram heroicamente com a Rússia (1 x 1). Embora ainda careça de potencial técnico para fazer frente à máquina alemã em Porto Alegre, esse time africano não costuma fugir da briga. Muito pelo contrário, lutará do primeiro ao último apito do juiz com um afinco muito semelhante ao visto na etapa de classificação.
Quem deve avançar: Alemanha
Placar provável: 2 x 0 ou 3 x 0


HOLANDA x MÉXICO
Perfil da Holanda: com boas chances de pôr as mãos na taça, apesar do aproveitamento de 100% conquistado de forma burocrática na fase de grupos, a Laranja Mecânica tem a vantagem da experiência, pois ainda conta com a maioria dos atletas vice-campeões em 2010, e do estilo de jogo majoritariamente ofensivo, sempre visando o maior número possível de gols nos 90 minutos. Mas cabe alertar que o esquadrão orange não é tão invencível quanto parece, conforme se viu na segunda rodada de classificação, na qual o time quase tropeçou diante da Austrália.
Perfil do México: considerada a seleção mais grudenta da Copa, a El Tri baseia sua estratégia na ocupação de espaços e na arte de irritar as equipes adversárias com as famosas duas linhas de quatro, além de confiar na velocidade dos contragolpes. Para quem levou muitos tropeços nas Eliminatórias e precisou de uma repescagem com a fraquíssima Nova Zelândia para chegar ao Brasil, os mexicanos finalmente se encaixaram no coletivo e devem suar sangue para frear a empolgação dos holandeses.
Quem deve avançar: Holanda.
Placar provável: 2 x 1.


COSTA RICA x GRÉCIA
Perfil da Costa Rica: os Ticos não viraram a sensação da Copa por acaso. Sobreviveram ao Grupo da Morte em grande estilo, derrotando duas campeãs mundiais e eliminando uma outra do torneio. Se o condicionamento físico dos atletas e a disposição tática se confirmarem na Arena Pernambuco, a seleção centro-americana estará em larga vantagem para alcançar mais uma meta nunca antes sonhada - as quartas de final. Precisa apenas tomar cuidado para não perder a bola no ataque à Grécia.
Perfil da Grécia: de longe, a seleção mais retranqueira do Mundial. Os gregos depositam todas as suas fichas no sistema defensivo, na esperança de surpreender os times adversários no contra-ataque, porém sua limitação técnica quase sempre põe tudo a perder quando o assunto é avançar no lado adversário.
Quem deve avançar: Costa Rica.
Placar provável: 1 x 0


ARGENTINA x SUÍÇA
Perfil da Argentina: as três vitórias na fase de grupos não escondem um time remendado, lento e inseguro - principalmente na defesa - que a Argentina trouxe ao Brasil. Sem o talento de Messi, que carregou o time nas costas, os hermanos não teriam passado às oitavas. Talvez nem passem das quartas, mas podem se considerar sortudos por enfrentarem agora um adversário igualmente apático.
Perfil da Suíça: mais uma seleção classificada para o mata-mata de forma irregular. Passou por Equador (2 x 1), de virada, e Honduras (3 x 0), mas levou um banho da França (5 x 3) no meio do caminho. Os suíços ainda confiam no setor defensivo, embora a zaga não tenha sido tão chata quanto nas Eliminatórias europeias.
Quem deve avançar: Argentina.
Placar provável: 1 x 0


BÉLGICA x EUA
Perfil da Bélgica: sob o comando do veterano Marc Wilmots (que chegou a enfrentar o Brasil como jogador nas oitavas de final da Copa de 2002), a atual geração está bem longe de justificar a badalação em torno da sua excepcional campanha nas Eliminatórias da Europa. Só que Hazard, Fellaini, Mertens e Courtois têm talento de sobra para ajudar o time a barrar as investidas americanas e seguir para as quartas de final
Perfil dos EUA: figurinhas carimbadas das Copas desde 1990, os americanos não têm do que reclamar quando adotaram para si o futebol moderno. Garantem-se muito bem na defesa e não hesitam em usar a força física na hora de parar os atacantes adversários, mas ainda precisam corrigir urgentemente os passes e o ataque. 
Quem deve avançar: Qualquer um.
Placar provável 1 x 1 (vaga decidida nos pênaltis)

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Copa-2014: Grupos G e H definidos - e fim de papo na fase de grupos

JOGO DE AMIGOS - EUA 0 x 1 ALEMANHA
Joachim Löw e Jurgen Klinsmann, amigos porém treinadores de seleções diferentes (Alemanha e EUA, respectivamente), protagonizaram em Recife um duelo à altura do respeito que um nutre pelo outro. O time germânico, recheado de talentos e ainda passando por ajustes, teve de se contentar com um 1 x 0, anotado por Müller (agora companheiro de Neymar e Messi na artilharia, com 4 gols) sobre os americanos, que mais uma vez souberam se defender bem e pressionar adversários tradicionalmente mais fortes. Apesar da derrota, os ianques avança às oitavas porque Gana perdeu para Portugal em Brasília.
No mata-mata, a Alemanha terá pela frente a surpreendente Argélia na próxima segunda, às 17:00, no Beira-Rio. Os Estados Unidos estreiam na nova fase diante da Bélgica no dia seguinte, no mesmo horário, na Arena Fonte Nova.


BYE BYE, PORTUGAL AND GHANA! - GANA 1 x 2 PORTUGAL
No Mané Garrincha, Portugal e Gana tiveram seu primeiro duelo em Copas e, em comum, tinham uma missão das mais complicadas: vencer a parada por uma boa diferença de gols e, ainda por cima, rezar por uma vitória da Alemanha. Um empate no outro jogo do Grupo G despacharia ambas as seleções no ato.
Os ganeses, que não puderam contar com Muntari e Kevin-Prince Boateng (afastados da equipe por indisciplina), até jogaram melhor e continuariam na briga pelo título se ganhassem a partida, uma vez que os americanos estavam perdendo para os alemães em Recife, mas Portugal saiu de campo com a vitória por 2 x 1, com direito a Cristiano Ronaldo finalmente marcando seu primeiro - e último - gol nesta Copa. As Estrelas Negras, em seu terceiro Mundial, vivem a primeira experiência de não passar da fase de grupos. Se isso serve de consolo ao time africano, os lusitanos também voltarão para o Velho Mundo antes da hora por causa do saldo de gols, insuficientes para passar os EUA na classificação da chave.


100% BUROCRÁTICO - BÉLGICA 1 x 0 COREIA DO SUL
Ainda longe de repetir a badalação nas Eliminatórias da Europa, os belgas não podem reclamar do 100% de aproveitamento na fase de grupos. Um único gol, marcado por Vertonghen aos 33 minutos do segundo tempo, foi o bastante para confirmar os europeus na liderança do Grupo H e, por tabela, o direito de enfrentar os Estados Unidos na primeira partida eliminatória, em Salvador. Mesmo em vantagem numérica, após a expulsão de Defour, os sul-coreanos deixam o Brasil com apenas um ponto conquistado.


AVANÇO HISTÓRICO - RÚSSIA 1 x 1 ARGÉLIA
Em sua quarta participação em Copas, a Argélia precisava apenas de um empate (a Bélgica estava vencendo a Coreia do Sul em São Paulo) para conseguir sua primeira classificação às oitavas de um Mundial. Os russos saíram na frente com Kokorin aos 9 minutos da etapa inicial e pareciam garantidos nas oitavas até os 13 do segundo tempo, quando Slimani subiu mais que os zagueiros e marcou o gol de salvação dos africanos. Com muita emoção e boas atuações dos goleiros, o confronto resultou em um justo 1 x 1, suficiente para o inédito avanço das Raposas do Deserto a uma fase eliminatória.
Classificados com todo o mérito, os argelinos terão no Beira-Rio um reencontro com a Alemanha desde a fatídica edição de 1982, na qual fizeram sua estreia em Copas justamente com uma vitória por 2 x 1 sobre os germânicos (então ocidentais), que em represália combinaram com os austríacos o infame jogo da vergonha para classificar as duas seleções europeias e eliminar os africanos daquele torneio no saldo de gols.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Copa-2014: Grupos E e F definidos

DE VOLTA AOS TRILHOS - ARGENTINA 3 x 2 NIGÉRIA
Finalmente os argentinos se deram conta de que estão disputando uma Copa, ainda mais na casa do arquirrival Brasil. Melhor para os nossos vizinhos, que invadiram Porto Alegre aos montes e foram brindados com uma apresentação de gala de Messi. O time comandado por Alejandro Sabella inaugurou o placar já aos 2 minutos do primeiro tempo com o camisa 10 do Barcelona, mas sua frágil zaga havia aberto uma brecha para Musa empatar logo em seguida. Aos 46, o craque hermano recolocou sua equipe na vantagem, sem dar a menor chance para o bom goleiro Enyeama. 
Na etapa complementar, o filme se repetiu logo no início: Musa desfilou no sistema defensivo da Argentina e chutou no contrapé do goleiro Romero, deixando tudo igual. Três minutos depois, Rojo crava 3 x 2 para sua equipe, que consegue administrar o placar até o apito final. Líder inconteste da chave, a bicampeã mundial se prepara para enfrentar a Suíça no mata-mata. Mesmo derrotados, os africanos também carimbaram o passaporte para a próxima fase, na qual terão pela frente a França.


UM BANHO DE DESPEDIDA - BÓSNIA 3 x 1 IRÃ
Eliminada da competição desde a rodada anterior, a novata Bósnia-Herzegóvina não poderia fazer feio na Arena Fonte Nova, palco das maiores goleadas vistas na Copa até agora. E cumpriu com dignidade seu último adeus, com mais posse de bola e criando mais chances, enquanto os iranianos, que avançariam às oitavas caso vencessem o duelo (pois a Nigéria viria a perder para a Argentina em Porto Alegre), adotaram um esquema defensivo, na esperança surpreender os europeus nos contragolpes. 
Os bósnios abriram o placar com seu principal jogador, Dzeko, aos 22 minutos do primeiro tempo e tomaram somente alguns sustos do Irã, que pecava pelas más finalizações. Na segunda etapa, Panjic ampliou a vantagem. Aos 36 minutos, Reza chegou a reacender a chama da esperança da equipe do Oriente Médio, mas Vrsaevic jogaria a última pá de cal sobre os adversários dois minutos depois. Saldo final: mais uma chuva de gols no estádio baiano, apesar do público inferior ao dos jogos anteriores ali realizados, e duas seleções se despedindo do Mundial no Brasil.


DE BARRIGA CHEIA - FRANÇA 0 x 0 EQUADOR
Previamente garantida no mata-mata, a França entrou em campo aparentemente desinteressada em balançar a rede adversária, à exceção de Benzema, que tentou mas ainda não alcançou Neymar e Messi na artilharia da Copa. O Maracanã não merecia um jogo tão monótono que o Equador tentou esquentar com muito mais vontade que o misto de titulares e reservas dos saciados Bleus, embora ciente de que matematicamente voltaria para casa mais cedo por causa da vitória da Suíça. 
Os franceses iniciam o mata-mata contra a Nigéria, e é bom que eles já tenham despertado da sonolência para não serem atropelados pelos velozes jogadores do time africano. Aos equatorianos, única seleção sul-americana a não seguir em frente (ao contrário de Brasil, Chile, Colômbia, Uruguai e Argentina), resta agradecer por terem disputado mais um Mundial.


OLHA O CANIVETE! - SUÍÇA 3 x 0 HONDURAS
Na última Copa, a Suíça encerrava a fase de grupos com Honduras, com a qual empatou sem gols e se despediu com antecedência da África do Sul. Hoje, o time europeu reencontrou os centro-americanos exatamente no mesmo cenário (última rodada da primeira fase), mas Shaqiri tratou de escrever uma história diferente para seu país. Assinalando os 3 gols da partida (2 no primeiro tempo e 1 no segundo), o camisa 23 avisava que seus compatriotas também sabem atacar. A La Nati, uma das 16 felizardas do Mundial, iniciará a batalha no mata-mata contra  Messi, Higuaín, Di María, Aguero e companhia.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Copa-2014: Grupo C definido

100% COLOMBIATION - COLÔMBIA 4 x 1 JAPÃO
Agora há pouco, na Arena Pantanal, a Colômbia manteve a ótima campanha no Mundial goleando os japoneses por 4 x 1. Cuadrado, Jackson Martínez (duas vezes) e James Rodríguez anotaram os tentos do time sul-americano, enquanto Okazaka marcou o único gol nipônico. A ausência do craque Falcão García, que não veio ao Brasil por estar lesionado, foi muito bem superada pelo conjunto bem montado dos cafeteros, cujo treinador ainda se deu o luxo de pôr em campo o goleiro reserva Mondragón, de 43 anos, agora o atleta mais velho a atuar em uma partida de Copa do Mundo. No próximo sábado, às 17:00, no Maracanã, os cafeteros iniciarão o mata-mata contra o empolgadíssimo Uruguai, segundo sobrevivente da "chave da morte" (Grupo D).


CAVALO DE TROIA - GRÉCIA 2 x 1 COSTA DO MARFIM
Um empate seria suficiente para a Costa do Marfim passar da fase de grupos de uma Copa pela primeira vez. Só que os gregos não estavam dispostos a sair da competição pela porta dos fundos e abriram o placar com Samaris, aos 42 minutos da etapa inicial. No segundo tempo, os africanos deixaram tudo igual com Bony e finalmente estavam com uma das vagas do Grupo C. Estavam porque Samaris balançou novamente a rede, de pênalti, bem no finalzinho do acréscimo. Por muito pouco, a Grécia não ficou de fora da corrida pelo título de 2014, mas terá um adversário de respeito, a Costa Rica (sensação do Mundial), às 17:00 do próximo domingo, na Arena Pernambuco.

Copa-2014: Grupo D definido

CIAO, SQUADRA! ITÁLIA 0 x 1 URUGUAI
Esta partida, uma das mais esperadas da fase de grupos da Copa, foi decidida mais na garra que na técnica. Ela começou meio morna, com as duas equipes aparentemente mais preocupadas em não tomar gols do que em balançar a rede adversária. No segundo tempo, porém, a temperatura subiu de vez, principalmente quando o italiano Marchisio cravou a chuteira em Arévalos Rios e saiu de campo com o merecido vermelho, o que facilitou o avanço dos raçudos uruguaios. A dez minutos do fim do jogo, a Squadra Azzura parecia ter garantido o empate quando, durante uma cobrança de escanteio, Godín subiu mais que a zaga e, de cabeça, marcou o gol da classificação celeste para as oitavas. E Suárez deu um show à parte, chegando a morder o ombro de Chiellini, ato não visto pela arbitragem. Atrás no placar, os europeus lançaram um ataque desesperado, com direito ao goleiro Buffon, que até então vinha fazendo excelentes defesas para tentar levar sua equipe adiante na competição, correndo para a grande área, só que não tinham mais pernas. Fim de papo: 1 x 0 para o Uruguai. A Itália entra para o infame rol das campeãs mundiais eliminadas deste Mundial ainda na fase de grupos. Enquanto isso, Óscar Tabárez e seus comandados aguardam a Colômbia (mais provável) nas oitavas.


SEM COMPROMISSOS - COSTA RICA 0 x 0 INGLATERRA
A Costa Rica, previamente classificada para o mata-mata, e a Inglaterra, de malas prontas, não tiveram muito o que fazer no Mineirão além de cumprir tabela. Embora o Time da Rainha tenha jogado melhor em alguns momentos, a partida não saiu de um merecido 0 x 0 que garantia a zebra da América Central na liderança do Grupo D e um duelo no mata-mata com o segundo colocado do Grupo C, a ser conhecido em breve (aposto em Costa do Marfim).

Copa-2014: Breguice Futebol Clube

Dentro de campo, esta Copa vem justificando a alcunha de "a maior da história", seja em virtude dos 108 gols em 36 partidas realizadas até o momento (média de 3 por jogo) ou de equipes modestas que peitaram adversários bem mais tradicionais de igual para igual (que o diga a Costa Rica, que derrotou duas campeãs mundiais, Itália e Uruguai, além de matematicamente eliminar a fanfarrona Inglaterra logo na segunda rodada). Até aí, beleza! Só que, fora das quatro linhas, a história tem sido diferente, especialmente nas arquibancadas: nunca vi uma torcida tão apagada e brega como a nossa. Nem parece que estamos sediando o torneio de futebol mais badalado do planeta...
Antes que algum ufanista perca seu tempo me acusando de semear o antipatriotismo, eu o convido a prestar atenção no público acomodado nos assentos dos estádios enquanto estiver assistindo a um jogo pela TV ou in loco. Desde o início da competição, os visitantes têm feito muito mais festa do que os donos da casa, embora a FIFA tenha proibido a entrada de instrumentos musicais em face das insuportáveis vuvuzelas assopradas no Mundial anterior, na África do Sul. De que adiantou 50 mil brasileiros terem cantado o Hino Nacional à capela se, durante os 90 minutos da partida no Castelão, suas vozes foram abafadas por uma minoria mexicana de 15 mil cabeças? Em Natal, até os poucos gregos que deram as caras na Arena das Dunas foram mais ouvidos do que o público majoritariamente nativo.
Não é difícil traçar o perfil dos torcedores brasileiros que vêm marcando presença nas arenas da Copa. Em geral, são aqueles cidadãos acostumados a ver os jogos com todo o conforto do sofá de casa pois provavelmente nunca pisaram em um estádio (ou já o fizeram, mas não cultivam o hábito por causa da violência das organizadas e do mediano nível técnico dos enfadonhos campeonatos estaduais por estas bandas). O que acontece? Uma vez na arquibancada, ficam sentadinhos, estáticos. Não vibram, não jogam junto com a Seleção (como fariam se o time de coração estivesse ali). Limitam-se a sorrir ou acenar bobamente assim que percebem que há uma câmera de TV apontada para si. Como se não bastasse a apatia, os "modinhas" resolveram incomodar a nação inteira entoando o piegas "eu sou brasileiro com muito orgulho, com muito amor" em todas as partidas. Orgulho de quê, cara pálida? Assim que a bola parar de rolar no Maracanã, palco da final, essa turma voltará a reclamar que "o país não presta, só tem corrupção, blablablá".
Só o tempo dirá (talvez nem o próprio diga) qual torcida será considerada a mais alegre ou simpática da Copa, pois a tendência é que os fãs estrangeiros continuem dando um show de animação dentro e fora dos estádios até a final no Maracanã (ou até depois dela, na melhor das hipóteses). O troféu de chatice e antipatia já está em nossas mãos, pelo visto. Cabe aos nosso prezados torcedores, portanto, se espelhar nos mexicanos, chilenos, colombianos, holandeses e até nos arquirrivais argentinos para tentar fazer mais bonito no próximo Mundial, na Rússia, em 2018 - preferencialmente com um repertório bem mais completo do que o singular e insosso "Eu sou brasileiro[...]".

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Copa-2014: Enfim o pentacampeão acordou...

BRASIL 4 x 1 CAMARÕES
Que show! Tanto na arquibancada do Mané Garrincha (à exceção do chatíssimo "eu sou brasileiro com muito orgulho", claro!) quanto em campo, o Brasil mostrou quem manda no pedaço: um sonoro 4 x 1 no combalido Camarões. A festa tupiniquim começou aos 30 minutos do primeiro tempo, quando Neymar ganhou ótimo lançamento de Luiz Gustavo e abriu o marcador no 100º jogo da Seleção em Copas (e, por tabela, o 100º gol deste Mundial). Em seguida, os africanos tiraram proveito das costumeiras falhas nas laterais brasileiras e empataram com Mutip. Mas o nosso camisa 10 voltou a aprontar: ao receber a bola interceptada por Marcelo, cortou para o meio e chutou bem colocado, para azar do goleiro Itandje.
No segundo tempo, a entrada de Fernandinho faria muito bem ao Brasil. Aos 4 minutos, tocou para Marcelo, que encaminhou a redonda para Fred enfim marcar seu primeiro gol na Copa - e ampliar a vantagem. O substituto de Paulinho não queria ficar apenas na assistência: aos 39 minutos, marcou o último tento brazuca. Com o primeiro lugar garantido, o time de Felipão poderá descansar à vontade até sábado, quando terá no Mineirão sua primeira pedreira no mata-mata: o Chile, muito bem organizado e montado por Jorge Sampaoli. Apesar do retrospecto favorável nos duelos contra a Roja em Copas, a Seleção precisa se reinventar no time titular (por exemplo, com Fernandinho no lugar do apagado Paulinho) e corrigir alguns defeitos para não correr o risco de ser surpreendida pelo rival sul-americano.


MÉXICO 3 x 1 CROÁCIA
Enquanto o Brasil despertava para a Copa em Brasília, o México também carimbava seu passaporte para as oitavas de final, em Recife. Depois de um 0 a 0 sem graça na etapa inicial, a El Tri mudou de postura no segundo tempo e triturou a Croácia sem piedade, com gols de Rafa Márquez, Guardado e (finalmente!) Chicharito Hernandez. Os europeus apenas descontaram com Perisic, aos 43 minutos, e saíram da Arena Pernambuco eliminados da Copa, pagando caro pelo excesso de confiança do técnico Niko Kovac e do meia Luka Modric, que chegaram a dizer, na véspera, ter encontrado uma "receita" (melhor time, mais talento, etc.) para estragar a festa do adversário. Com a merecida vitória, os mexicanos iniciam a complicada fase eliminatória diante da Holanda às 13:00 do próximo domingo, no Castelão.

Copa-2014: Grupo B definido

100% LARANJA - HOLANDA 2 x 0 CHILE
Como eu previa, a Laranja Mecânica encerrou sua participação na fase de grupos na liderança da chave B. Só não imaginei que o mistão orange, que mais estudou do que ameaçou o adversário no primeiro tempo, fosse capaz de subjugar o bem montado time de Jorge Sampaoli com os gols de Fer e Depay na etapa seguinte. Com 100% de aproveitamento até o momento (apesar do susto pregado pela Austrália na segunda rodada), a Holanda aguarda o segundo colocado (aposto no México) do grupo A no Castelão, às 13:00 do próximo domingo. O Chile, por sua vez, iniciará o mata-mata no sábado, às 13:00, no Mineirão, contra o líder da referida chave (espera-se que seja o Brasil, se não tremer diante de Camarões).


ADÍOS COM ALGUM ESTILO - AUSTRÁLIA 0 x 3 ESPANHA
A decadente Fúria teve ao menos o direito a um consolo básico na Arena da Baixada para diminuir um pouco o trauma da eliminação precoce na Copa. Desta vez, mostrou mais entusiasmo e pôde levar à sua torcida um pouco de alegria em meio à campanha desastrosa, assim como definitivamente encerrou o ciclo da sua geração mais vitoriosa (dois títulos europeus e um mundial em um intervalo de seis anos), muito embora o futuro do futebol hispânico já tenha sido escrito ao final da segunda partida, contra o Chile: Casillas, Sérgio Ramos, Busquets, Piqué, David Villa, Xabi Alonso, Xavi, Iniesta, Fernando Torres e o treinador Vicente Del Bosque não deverão continuar no time nacional após a competição. Por outro lado, os australianos, que também se limitaram cumpriram tabela, podem se orgulhar de ter oferecido algum trabalho à Holanda na rodada anterior da fase de grupos, entretanto saem de cena atingindo uma façanha negativa: pela primeira vez, acabam de ser eliminados de um Mundial sem marcar um mísero ponto.

domingo, 22 de junho de 2014

Copa-2014: palpites da última rodada da fase de grupos

Agora há pouco, teve fim a segunda rodada da fase de grupos da Copa. Já temos algumas seleções garantidas no mata-mata, enquanto outras terminam de arrumar as malas para voltar à realidade mais cedo do que o planejado. Segue abaixo meus palpites para o último round:

GRUPO A
Quem já se classificou: Ninguém.
Quem deve se classificar: Brasil e México.
Quem já caiu fora: Camarões.
Comentários: caso a previsão se confirme, o Brasil passeará à vontade (4x0, imagino) sobre os eliminados, desmotivados e desunidos camaroneses para terminar a fase de grupos na liderança da chave A. Os mexicanos enfrentarão a Croácia e talvez empatem em 2 a 2, resultado que levará os primeiros à fase eliminatória.


GRUPO B
Quem já se classificou: Holanda e Chile.
Quem já caiu fora: Espanha e Austrália.
Comentários: já classificados, holandeses e chilenos só terão o trabalho de brigar pela liderança do Grupo B. Talvez o resultado seja um 2 a 2, suficiente para manter os oranges na liderança e pôr os sul-americanos no caminho do Brasil logo nas oitavas. A combalida Espanha ainda sonha em não ser humilhada pelos australianos, mas os Socceroos devem ganhar por 1x0.


GRUPO C
Quem já se classificou: Colômbia.
Quem já caiu fora: Ninguém.
Quem deve se classificar: Costa do Marfim.
Comentários: Os marfinenses devem destroçar a já desgastada retranca grega na última rodada. O eventual triunfo africano, talvez por 2x0, também eliminará o Japão, que poderia chegar no máximo a 4 pontos em caso de vitória sobre a Colômbia.


GRUPO D
Quem já se classificou: Costa Rica.
Quem já caiu fora: Inglaterra.
Quem deve se classificar: Uruguai.
Comentários: grande sensação desta Copa, os costarriquenhos podem até sonhar com uma eventual vitória sobre os apáticos ingleses, engolidos neste "grupo da morte", mas um empate basta para confirmar a liderança no Grupo D. A outra vaga da chave será disputada palmo a palmo por Itália e Uruguai. A Squadra Azzura também precisa apenas de um empate para seguir em frente devido ao melhor saldo de gols, porém os chuarras, ainda empolgados por terem derrotado o Time da Rainha, terão o calor do horário da partida (13:00) e o apoio da torcida a seu favor para despachar os rivais europeus com um triunfo simples (1x0 ou 2x1).


GRUPO E
Quem já se classificou: França.
Quem já caiu fora: Ninguém.
Quem deve se classificar: Suíça.
Comentários: tudo indica que os franceses vençam os esforçados equatorianos por uma diferença de gols não superior a 2. A Suíça, que garantiu seus atuais 3 pontos na estreia, pode agradecer caso empate com Honduras.


GRUPO F
Quem já se classificou: Argentina.
Quem já caiu fora: Bósnia.
Quem deve se classificar: Nigéria.
Comentários: a seleção argentina, confirmada nas oitavas mas ainda contestada, deve passar por mais um vexame, desta vez no jogo contra a Nigéria, que precisa de um mero empate para fazer companhia ao time de Sabella no mata-mata. O Irã também pode sonhar matematicamente com a outra vaga do Grupo F, mas talvez consiga um empate com a eliminada Bósnia, na melhor das hipóteses.


GRUPO G
Quem já se classificou: Ninguém.
Quem já caiu fora: Ninguém.
Quem deve se classificar: Alemanha e Gana.
Comentários: Tanto a Alemanha quanto os EUA (ambos comandados por técnicos germânicos - Low e Klinsmann, nesta ordem), que se enfrentarão em Recife, só precisam de um empate para seguir às oitavas. Mas creio que Müller e companhia sairão da Arena Pernambuco com a liderança da chave, assim como Gana deve soterrar de vez a apática seleção portuguesa, ultradependente do também apagado Cristiano Ronaldo, vencendo o duelo com dois ou mais gols de diferença (2x0 ou 3x1)


GRUPO H
Quem já se classificou: Bélgica.
Quem já caiu fora: Ninguém.
Quem deve se classificar: Argélia.
Comentários: os russos confiaram demais no sistema defensivo, levando o gol belga no final da partida realizada hoje no Rio de Janeiro. Abalados, provavelmente não conseguirão conter a empolgação da Argélia, que surpreendeu a frágil Coreia do Sul com um ótimo resultado (4 a 2) no Beira Rio. Desconfio que o time africano se classifique empatando em 1 a 1, bem como os belgas encerrem a fase de grupos com um 3 a 1 sobre os Tigres Asiáticos.

Copa-2014: Bélgica nas oitavas, Argélia renascida e Portugal ainda vivo

REENCONTRO E CLASSIFICAÇÃO SUADA - BÉLGICA 1 x 0 RÚSSIA
Belgas e russos voltaram a se topar em um Mundial doze anos depois. Os primeiros novamente levaram a melhor, com um único gol, anotado por Origi, aos 42 minutos do segundo tempo. Culpa da Rússia, que pegou firme na defesa o tempo todo. Os ex-soviéticos até chegaram a ameaçar o adversário diversas vezes, mas foram barrados pelos ótimos Curtois e Kompany, goleiro e zagueiro dos Diabos Vermelhos, respectivamente.
Situação final: a Bélgica, já classificada, depende apenas de um empate com a Coreia do Sul para manter a liderança do Grupo H. Os russos não têm outra opção além de vencer os argelinos na rodada final de grupos e, ainda por cima, ser agraciados pelo triunfo dos comandados de Marc Wilmots.


RAPOSAS EM AÇÃO - ARGÉLIA 4 x 2 COREIA DO SUL
Os torcedores presentes no Beira-Rio avistaram mais uma zebra. Os argelinos, inicialmente destinados a servir de escada para a reabilitação sul-coreana, não quiseram saber do destino (quase) certo e aplicaram um 3 a 0 ainda na etapa inicial, com Slimani, Halliche e Djabou. No segundo tempo, os asiáticos reagiram com Son Heung Min aos 5 minutos, porém as Raposas ampliaram com Brahimi aos 17. Apesar de descontar novamente, com Jacheol, os Tigres não evitaram a derrota.
Situação final: À Argélia basta um empate com a Rússia para chegar às oitavas pela primeira vez em sua história de participações em Copas. Por sua vez, os sul-coreanos estão mais encrencados. Precisam vencer os belgas por uma boa diferença de gols e dependem ainda de um triunfo russo.


SALVOS NO ÚLTIMO MINUTO, MAS NEM TANTO - EUA 2 x 2 PORTUGAL
Logo no início, os portugueses abriram o placar com Nani, que aproveitou a bola mal cortada pelo zagueiro americano Cameron, e prometiam apagar a má impressão causada pela sonora derrota para a Alemanha na estreia. Acontece que os ianques não desistem fácil de uma batalha e, por isso, começaram a pressionar o esquadrão luso para valer. Embora tenham criado mais chances, pecavam pela baixa criatividade para se infiltrar na defesa adversária e finalizar. Na etapa complementar, de tanto insistir, os EUA conseguiram reverter a vantagem com Jones e Dempsey. Quando o árbitro concedeu um acréscimo de 5 minutos, concentraram-se na defesa para administrar a vantagem e, por tabela, a classificação antecipada ao mata-mata. Quis o destino, porém, que um lampejo do apagado Cristiano Ronaldo levasse a bola em cruzamento até Varela, que definiu o placar final com uma bela cabeçada, sem chances para o goleiro Howard.
Situação final: Os EUA, que por muito pouco não passaram logo para a fase eliminatória, confirmarão avanço no Mundial caso apenas empatem com os alemães. Se perderem, devem torcer para que Gana e Portugal empatem. Já os ganeses se veem obrigados a vencer os lusitanos e torcer para uma derrota ianque.

Copa-2014: Classificação no sufoco, empate heróico e fim de jejum

CLASSIFICAÇÃO NO SUFOCO - ARGENTINA 1 x 0 IRÃ
Mais uma vez os hermanos, que ainda não encantaram na Copa até o momento, foram salvos por Messi. Sofreram um bocado com a simples e eficiente defesa iraniana, que conseguiu anular o já desanimado quadrado mágico da Argentina. Empolgados com a apatia do rival sul-americano, os asiáticos começaram a partir para o ataque, principalmente no 2º tempo. Poderiam até ter aberto o placar, não fossem o árbitro trapalhão, que deixou de assinalar um pênalti de Zabaleta em Dejagah, e a falta de pontaria dos esforçados atacantes. O resultado caminhava para um merecidíssimo empate sem gols quando, no finalzinho, um certo camisa 10 do Barcelona, que ficou apagado o jogo inteiro, só precisou de um chute bem colocado para anotar a segunda vitória de seu time - e, de quebra, a classificação antecipada às oitavas de final. Um triunfo incompatível com o desempenho dos argentinos no Mineirão, mas sabe como é: futebol tem dessas coisas...


EMPATE HERÓICO - ALEMANHA 2 x 2 GANA
Em Fortaleza, alemães e ganeses protagonizaram o empate mais emocionante (e empolgante) até agora na Copa. Após um primeiro tempo mais de estudo que de exercício, o placar foi inaugurado por Gotze, aos 6 minutos da etapa complementar. Aproveitando-se de uma certa bagunça da defesa germânica, Gana igualou o marcador logo depois, com Ayew, e não demorou a reverter a vantagem com Asamoah Gyan. Quem achou que os germânicos ficariam desesperados ficou boquiaberto com a calma e paciência do time europeu, que chegaria ao empate com Miroslav Klose. O atacante reserva agora divide com Ronaldo a maior artilharia em Copas (15 gols).
Situação atual: A Alemanha só precisa de um empate com os EUA na rodada final de grupos para chegar ao mata-mata, enquanto Gana terá de suar a camisa para ganhar bem dos lusitanos e, ainda por cima, torcer por um tropeço germânico ou ianque, a depender do resultado da partida entre EUA e Portugal hoje à noite, na Arena da Amazônia.


FIM DE JEJUM - NIGÉRIA 1 x 0 BÓSNIA
Desde a Copa de 1998 a Nigéria não vencia em Copas do Mundo. Encerrou o tabu ontem à noite, na Arena Pantanal, anotando o único gol da partida, com Odemwingie, ainda aos 29 minutos da etapa inicial, com direito a mais uma polêmica de arbitragem neste Mundial: nove minutos antes, Dzeko havia aberto o placar para os bósnios, porém o lance foi mal anulado pelo juiz. Desesperada, a seleção dos Balcãs chegou a utilizar todas as substituições a que tinha direito e quase igualou o placar - o que ainda a manteria viva na fase de grupos - aos 30 minutos do segundo tempo, quando Dzeko tentou finalizar e a bola, mascada, foi desviada a tempo pelo atento goleiro nigeriano Enyeama. 
Situação atual: ainda vivas na Copa, as Superáguias dependem apenas de um empate com a classificada Argentina na última rodada de grupos, em Porto Alegre. Já despachada do torneio, a debutante Bósnia-Herzegovina terá de se contentar com a possibilidade de pelo menos fazer bonito em Salvador no jogo contra o Irã, que por sua ainda pode sonhar matematicamente com o avanço à fase eliminatória.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Copa-2014: Novo passeio da zebra, mais um chocolate na Bahia e valentia no Paraná

DUROS DE MATAR - ITÁLIA 0 x 1 COSTA RICA
A zebra costarriquenha voltou a passear, desta vez em Recife. O alvo em questão foi a poderosa Squadra Azzura, que tinha muita dificuldade para passar pela retranca dos Ticos apesar de ter maior posse de bola. Balotelli não estava realmente tão inspirado, ao contrário do colega rival Bryan Ruiz, que anotou o único gol da partida, em compensação a uma penalidade clara sofrida pela equipe da América Central - e solenemente ignorada pelo árbitro.
Situação atual: A classificada Costa Rica pode confirmar a liderança se empatar com a Inglaterra, outra campeã mundial que volta para casa mais cedo. Italianos e uruguaios brigarão pela outra vaga do Grupo D para as oitavas, de forma que uma igualdade no placar é suficiente para o avanço do time europeu.


CHOCOLATE AO QUEIJO SUÍÇO - FRANÇA 5 x 2 SUÍÇA
A Arena Fonte Nova deve ter sido abençoada pelos orixás, o que explica mais uma goleada registrada no estádio baiano. Os felizardos da tarde foram os franceses, que se banquetearam à vontade no sistema defensivo suíço, que tinha mais buraco que os famosos queijos produzidos no país do relógio. Os Bleus aplicaram sonoros cinco gols - três deles ainda no 1º tempo - e Benzema ainda se deu o "luxo" de perder uma cobrança de pênalti. A Suíça reagiu e até descontou duas vezes, insuficiente para impedir mais uma vitória da rival.
Situação atual: A França ainda não se garantiu nas oitavas matematicamente, porém muito provavelmente terá um bom desempenho na última rodada, contra os equatorianos. O caso da Suíça é mais chato: ela precisa vencer Honduras e torcer por um tropeço equatoriano, sem tirar os olhos do saldo, que pode ser decisivo.


VIRADA NA RAÇA - EQUADOR 2 x 1 HONDURAS
Na Arena da Baixada, os equatorianos voltaram a respirar na briga por uma das vagas do Grupo E para a fase eliminatória. Iniciaram o duelo atrás no placar aos 30 minutos, quando Costly ganhou a dividida e balançou sem pena nem dó a rede do goleiro Rodríguez. Porém, três minutos depois, Enner Valencia deixaria tudo igual. Na etapa complementar, o Equador chegou à virada aos 19 minutos, com mais um gol do camisa 13 (que, por sinal, divide a artilharia com Van Persie, Robben, Müller e Benzema), e administrou bem a vantagem até o apito final.
Situação atual: o último confronto de Valencia e companhia será no Maracanã, contra a líder França. O time sul-americano precisa vencer os Bleus e depende de um revés suíço. Honduras ainda tem chances matemáticas (porém remotíssimas) de classificação - teria de aplicar uma goleada na Suíça e torcer por uma vitória francesa.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Copa-2014: Elefantes na dança, ressurreição celeste e lâminas cegas

MAIS UM NA DANÇA - COLÔMBIA 2 x 1 COSTA DO MARFIM
Os cafeteros gingaram melhor no Mané Garrincha e mantiveram a liderança do Grupo C, com 6 pontos, porém a classificação antecipada viria mais tarde, após o empate sem gols de Japão x Grécia em Natal. Os gols da vitória só apareceram no segundo, anotados por James Rodríguez e Quintero. Gervinho (sempre ele) descontou para os Elefantes. E Serey Die deu um show à parte, antes mesmo de a bola começar a rolar em Brasília: chorou bastante de emoção durante a execução do hino do país africano.
Situação atual: a Colômbia acaba de garantir a classificação às oitavas com o empate sem gols entre Japão e Grécia na Arena das Dunas. Teoricamente, as demais equipes do Grupo C ainda poderiam brigar pela outra vaga, mas dificilmente Costa do Marfim perde para os insossos gregos, resultado que automaticamente elimina os japoneses da competição mesmo que estes triunfem sobre Rodríguez e companhia.


LEVANTA-TE, LÁZARO - URUGUAI 2 x 1 INGLATERRA
Na Arena Corinthians, Luís Suárez enfim debutou na Copa e não demorou a aprontar em campo, silenciando com estilo quem apostava na eliminação certa dos chuarras. O camisa 9 abriu o placar aos 39 do primeiro tempo e levantou a galera no estádio paulistano. Na etapa complementar, os ingleses chegaram ao empate com Rooney, que finalmente deixava o primeiro dele em Mundiais. Ocorre que o destino voltaria a sorrir para o Uruguai. Dez minutos depois, Suárez balançava de novo a rede e definia o resultado final.
Situação atual: Matematicamente todos os times do Grupo D continuam vivos - por enquanto! Itália e Costa Rica se enfrentam amanhã, em Recife, e o resultado interessa especialmente aos ingleses. Um empate entre as duas seleções líderes da chave mandará o Time da Rainha de volta para casa.


MUITA FESTA, POUCA INSPIRAÇÃO - JAPÃO 0 x 0 GRÉCIA
Tanto os japoneses quanto os gregos precisavam de uma vitória em Natal para aumentar as chances de classificação para a fase seguinte. Os nipônicos eram os favoritos para conquistar os primeiros 3 pontos na Copa e até contaram com um apoio maciço dos torcedores, porém os Samurais Azuis não estavam com as lâminas afiadas em campo. As más finalizações da equipe asiática - assim como a baixa criatividade da ofensiva adversária - renderam mais um insosso 0 a 0, o primeiro registrado na capital potiguar nesta Copa.
Situação atual: com apenas um ponto, Japão e Grécia se encrencaram de vez no Grupo C. Cada um precisa vencer seu respectivo adversário e torcer por um tropeço do outro. Mas acho difícil que consigam deter a empolgação dos colombianos, já classificados, e dos marfinenses.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Copa-2014: Os primeiros a seguir em frente e a se despedir

PASSAPORTE SOFRIDO - ALEMANHA 3 x 2 AUSTRÁLIA
A Laranja Mecânica tomou um susto e quase virou suco no Beira-Rio. Começou a partida apanhando da forte defesa australiana e só abriria o placar aos 19 minutos, com Robben. O camisa 11 mal teve tempo de comemorar: Tim Cahill recebeu um ótimo lançamento nas costas da zaga orange e empatou com um chutaço. Na etapa complementar, os Socceroos viraram com Jedinák, em cobrança de pênalti. Os holandeses só acordariam pouco mais de 3 minutos depois, quando Van Persie deixou tudo igual, mostrando porque está numa ótima fase. Aos 22 minutos, a Austrália tinha tudo para estar na frente de novo, porém Leckie se atrapalhou ao tentar um lance genial e entregou a bola de graça para o goleiro Cillessen. Pouco tempo depois, o time da Oceania pagaria caro pelo vacilo: Depay, que entrara no lugar de Martins Indi, estava livre para marcar o terceiro e derradeiro gol dos europeus.
Noventa minutos e um jogo truncado depois, os holandeses se tornaram os primeiros a garantir presença na fase eliminatória da Copa e, de quebra, acabaram com o tabu de nunca ter vencido a Austrália anteriormente. Na próxima semana, disputarão a liderança do Grupo B com o também classificado Chile. Aos rivais da terra do canguru, cabe uma partida de honra com a igualmente despachada Espanha. 


MARACANAZO À ESPANHOLA - CHILE 2 x 0 ESPANHA
Na batalha entre as Rojas ("vermelhas", em espanhol), a original chilena tratou de fechar logo o caixão hispânico. Sanchez e Aránguiz marcaram os dois gols da vitória do time sul-americano, que só teve o trabalho de administrar a vantagem até o último minuto de jogo, pondo a Fúria literalmente na roda. Desgastados fisicamente, os rivais nem de longe lembraram o incrível selecionado que ganhou a última Copa, na África do Sul. Chegava ao fim o fabuloso reinado de Iniesta, Xavi, Casillas e companhia nos últimos anos no planeta bola. Esses jogadores tiveram o privilégio de compor a geração mais vitoriosa do futebol da Espanha (com direito a 3 títulos - 2 continentais e 1 mundial - de 2008 para cá), porém dificilmente continuam a defender a cor rubra, assim como o treinador Vicente Del Bosque, assim que se despedirem dos gramados brasileiros cumprindo um último compromisso diante dos também despachados australianos. Já classificado, o Chile se prepara para disputar a liderança do Grupo B com a Holanda.


CHOCOLATE AO CAMARÃO - CROÁCIA 4 x 0 CAMARÕES
Felipão e seus comandados agora podem respirar aliviados. A Croácia deixou para trás a revés na estreia e atropelou um Camarões desmotivado e desunido com os gols de Olic, Perisic e Mandzukic, que finalmente pôde estrear na Copa após cumprir um jogo de suspensão. Para facilitar ainda mais as coisas para o adversário europeu, os africanos tiveram uma baixa, Song, expulso de forma infantil. 
Na rodada final, os croatas dependem apenas do próprio esforço para disputar com o México uma das duas vagas do Grupo B para o mata-mata. A outra está praticamente reservada ao Brasil, que não deverá ter problemas para passear na frágil defesa camaronesa.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Copa-2014: duelo de paredões em Fortaleza e últimas estreias no Mundial

BRASIL 0 x 0 MÉXICO - 16:00 - CASTELÃO
Se a Seleção prometeu um show diante dos mexicanos no Castelão, deve agradecer aos 50 mil torcedores nativos que cantaram o Hino Nacional mesmo após findo o tempo protocolar definido pela FIFA. Dentro das quatro linhas, a história foi diferente: ambos os times empreenderam um combate bastante equilibrado, com direito a cada lado preenchendo os espaços para barrar a ofensiva adversária. Mas o principal destaque da partida foi o goleiro mexicano Ochoa, que tratou de impedir Neymar e companhia de balançar a sua rede. Júlio César, embora acionado menos vezes do que o colega de posição, também fez bonito nos 90 minutos.
No final das contas, um justíssimo 0 a 0 que agradou Brasil e México, ambos com 4 pontos, porém com vantagem tupiniquim no saldo de gols. O Grupo A ainda segue indefinido, pois Camarões e Croácia tentarão a reabilitação no Mundial um contra o outro amanhã, às 19:00, em Manaus. O resultado deste confronto pode tornar as coisas mais fáceis ou (só um pouco) mais complicadas para o time de Felipão na corrida pelo hexacampeonato.


BÉLGICA 2 x 1 ARGÉLIA - 13:00 - BEIRA-RIO
Candidata a uma das sensações da Copa, a Bélgica esteve à beira de um ataque cardíaco na etapa inicial, especialmente após os 25 minutos, quando Feghouli abriu o placar a favor da Argélia. No segundo tempo, entretanto, o treinador Wilmots só precisou mexer em algumas peças para que a máquina finalmente desse partida. Dois dos substitutos, Fellaini e Mertens, fizeram a diferença e promoveram a virada do time europeu. Não foi desta vez que mais uma zebra passearia nas arenas tupiniquins... No próximo domingo, os belgas encaram a poderosa Rússia de Fabio Capello no Maracanã, às 13:00. No mesmo dia, às 16:00, os argelinos tentarão aprontar com a Coreia do Sul na Arena Pantanal. 


RÚSSIA 1 x 1 COREIA DO SUL - 19:00 - ARENA PANTANAL
O último jogo de estreantes da Copa não passou de um morno embate entre o massivo ataque da Rússia e a bem montada defesa da Coreia do Sul. Poucas chances de gol e muitas vaias, ao final do 1º tempo, para ambas as seleções. Na etapa complementar, a partida caminhava para mais um insosso 0 a 0 quando Lee Keun Hoo, saído do banco de reservas, arriscou um chute meio fraco e o goleiro Akinfeev tentou encaixar a bola, mas ela escorregou de suas mãos e morreu no fundo da rede, conferindo o primeiro frango do Mundial no Brasil. Quem disse que os ex-soviéticos jogaram a toalha? Seis minutos depois, o veterano Kerzhakov - também reserva e único integrante do atual elenco a ter participado de uma edição (2002) - igualaria o duelo. Os dois times ainda se movimentariam bastante, porém não passaram do 1 a 1. Os russos enfrentam a seguir os líderes belgas no Maracanã, às 13:00 do próximo domingo, enquanto os sul-coreanos compram a briga com os argelinos no mesmo dia, às 19:00, na Arena Pantanal.